• Alimentação carregada no sal acelera o aparecimento da catarata e pode aumentar o risco de doenças na retina.

    O brasileiro diariamente coloca a visão em risco. Isso porque, consome mais que o dobro dos 5 gramas de sal, o equivalente a uma colherzinha de chá ou 2 gramas de sódio, recomendados pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

    O sal usado na cozinha e à mesa respondem por 70% do consumo de sódio no país. É o que mostram dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) que acabam de ser compilados pela ABIA (Associação Brasileira das Indústrias de Alimentação).

    De acordo com o oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, o problema é que o abuso no consumo de sal dobra a chance de surgir a catarata do tipo subcapsular posterior.


    Efeito do sal

    O excesso de sódio na corrente sanguínea, dificulta a manutenção do baixo nível intracelular de cálcio que garante a transparência da lente do olho” afirma. Ninguém escapa da catarata que atinge praticamente todas as pessoas depois dos 75 anos porque geralmente está relacionada ao envelhecimento Mas a catarata subcapsular posterior, adverte, pode surgir bem mais cedo e em muitos casos pode ser adiada. Além do consumo abusivo de sal o médico explica que pode estar relacionada a traumas, hereditariedade, diabetes ou uso contínuo de corticóide.

    Igual às outras formas da catarata, ressalta, também embaça o cristalino, lente localizada atrás da pupila e da íris (parte colorida do olho) que responde pela focalização das imagens. A diferença é que na catarata subcapsular posterior a opacificação acontece na parte de trás do cristalino onde a luz converge. Por isso, a aversão à luz, fotofobia, é mais intensa. Resultado: A dificuldade para dirigir contra os faróis é maior, bem como enxergar em situações que façam as pupilas contraírem, como por exemplo, locais bem iluminados ou durante a leitura. Como aparece mais cedo nem é preciso dzer que acaba comprometendo a trajetória profissional, comenta.


    Prevenção e tratamento

    Para reduzir o consumo de sal, recomenda: eliminar o saleiro da mesa, optar por temperos naturais, evitar embutidos, conservas e alimentos industrializados que contenham glutamato de sódio.

    O oftalmologista afirma que os olhos também devem ser protegidos da radiação ultravioleta emitida pelo sol durante o ano todo nas atividades ao ar livre com lentes que contenham filtro ultravioleta, chapéu ou boné.

    O consumo frequente de bebida alcoólica e cigarro são outros fatores de risco evitáveis, ressalta. Comer frutas e vegetais frescos em abundância ajuda  adiar a doença. A única forma de eliminar a catarata é através da cirurgia que tem bons resultados em mais de 95% dos casos e é o procedimento que mais cresce no Brasil.


    Outros distúrbios

    Queiroz Neto ressalta que o abuso no sal também pode causar hipertensão arterial e levar ao desenvolvimento de alterações cardiovasculares e na retina. Nos olhos causa retinopatia hipertensiva que pode desencadear a perda irreparável da visão. A boa notícia é que um simples exame de fundo de olho pode indicar tanto a hipertensão arterial como as alterações retinianas.

    A má é que geralmente os dois distúrbios não apresentam sintomas. Por isso, a recomendação do medico é fazer exame de fundo de olho e de sangue anualmente. Devem estar atentos à prevenção:


    · Portadores de doenças cardiovasculares

    · Diabéticos

    · Quem tem hipertensão arterial

    · Pessoa com colesterol alto

    · Casos de doenças cardíacas na família

    · Quem tem mais de 50 anos




    Dr Visão