• É muito fácil, principalmente nas periferias das grandes cidades do País, o acesso e a compra de óculos de grau sem a apresentação da receita médica do oftalmologista. Esta prática, realizada pela população mais carente, prejudica não só a economia do País, mas principalmente a saúde ocular do brasileiro que deixa de procurar um especialista para diagnosticar a real situação dos seus olhos e prescrever, de maneira exata, o grau que necessita para uma melhor visão.


    O uso indiscriminado deste material pode esconder, já que ele oferece mínima melhoria imediata na visão, doenças graves dos olhos e que levam à cegueira. Acontece que o indivíduo que compra os óculos no mercado paralelo em detrimento da consulta preventiva a um especialista, pode, na verdade, estar com uma doença grave como o glaucoma, que leva à cegueira, mas que pode ser controlado caso diagnosticado em seu início.


    Com o passar do tempo, inclusive de anos, quando o desconforto se agrava e ele procura o médico oftalmologista a doença já se encontra em nível tão avançado que nada mais é possível ser feito para evitar a escuridão.


    Não é preciso ser nenhum gênio da matemática para equacionar a lógica a seguir: os óculos clandestinos, comprados sem a receita médica, são mais barato por unidade, mas, devido a sua mínima qualidade acaba facilmente danificado e faz com que o cidadão faça rotineiramente a sua troca. Como o exame oftalmológico não é realizado pode esconder problemas que levam à cegueira. Uma vez cego encontrará dificuldades para o trabalho diário e garantir o sustento da família.


    Já os óculos adquiridos em óticas certificadas, comprados após a realização da consulta médica completa - com exame de fundo de olho para identificar precocemente possíveis doenças e a refratometria para descobrir o grau-, é realmente mais caro por unidade, porém, oferece a mais alta tecnologia para a sua visão, não quebra facilmente e ainda oferece ao indivíduo a garantia de um especialista, que passou por anos de estudos, sobre a sua real situação ocular.



    Fonte: http://www.cbo.net.br