• Estudo divulgado na revista Cadernos de Saúde Pública destaca que as fraturas decorrentes de queda entre idosos são um grave problema e têm sido associadas com maior risco de morte. Segundo o trabalho, a mortalidade chega a ser 25% maior nesses casos.


    As principais causas de quedas em idosos são os distúrbios cognitivos (pois modificam a interação com o ambiente,como alterações na memória, raciocínio lógico), ambientais (obstáculos arquitetônicos como buracos desníveis, escadas, tapetes , camas), medicamentos, doenças neurológicas, labirintite, sedentarismo e déficit visual.



    Baseado nesta realidade, a Universidade Federal de Goiás em conjunto com a Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Goiás realizou a pesquisa "Condições visuais auto relatadas e quedas em idosos institucionalizados", que observou o comportamento deste público da terceira idade internado em asilos.


     
    Segundo a pesquisa, idosos com complicações visuais apresentam problemas de postura além de pré-disponibilidade quedas e fraturas de quadril, já que o sistema visual contribui contribuinte para o equilíbrio, fornecendo informações sobre o ambiente e a localização, a direção e a velocidade de movimento do indivíduo. De acordo com o estudo, a dificuldade visual, a sensibilidade de contraste reduzida e a diminuição do campo visual têm sido associados à ocorrência de duas ou mais quedas em pessoas mais velhas.



    O trabalho também revela que existem evidências de um esforço considerável de coordenação entre os movimentos dos olhos e os movimentos dos membros inferiores durante a locomoção. Com o envelhecimento, o tempo para processamento da informação visual é prolongado para obter sucesso durante a deambulação. "Qualquer condição que venha a diminuir a acuidade visual, pode contribuir para que ocorra acidentes, principalmente no idoso, que já tem seus  reflexos e forças musculares diminuídas.



    O comprometimento da visão central ou periférica ou mesmo a visão de profundidade, dificulta no reconhecimento de obstáculos e o cálculo correto das distâncias, estando assim mais sujeitos a acidentes. O diagnóstico precoce de comprometimento é fundamental para manter a qualidade de vida dos idosos", afirma o dr Henrique César Magalhães, do Hospital de Olhos INOB.



    De acordo com  Márcio Borges, professor de psicologia do Centro Universitário IESB, déficits visuais levam a menor comunicação visual, dependência e restrição de mobilidade, inclusive levando à maior probabilidade de traumas em geral. "Os distúrbios visuais, ao desencadearem maior dependência física, podem gerar também dificuldades nos aspectos psicoemocionais para os idosos", explica ele.




    Fonte: Hospital de Olhos INOB.