• Basta os termômetros acusarem temperatura em alta para as lentes de contato se tornarem mais perigosas. Um estudo realizado com 210 pacientes pelo oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, mostra que 2 em cada 10 pessoas têm problemas oculares causados pelo uso incorreto de lentes.
     
    As contaminações respondem por 20% das lesões, alergias por 35% e uso além do prazo recomendado por 45%. Significa que a chance de contaminar os olhos usando lente de contato é 200 vezes maior do que passando pela cirurgia refrativa.

    O médico explica que a cirurgia corrige miopia, hipermetropia, astigmatismo ou presbiopia através da aplicação de laser na córnea. Diversos estudos internacionais indicam que o risco de contaminação durante a operação é de 1 em cada 1 mil procedimentos.

    Um dos fatores que explica o maior risco da lente são as limitações que impõe.

    Só para se ter uma ideia, o especialista afirma que as contaminações crescem durante os meses mais quentes. Os fatores que contribuem com este crescimento são a proliferação de bactérias, maior evaporação da lágrima e mergulhar no mar ou piscina com  as lentes. Algumas bactérias formam verdadeiras colônias na água e os olhos de quem usa lente são mais vulneráveis porque recebem menos oxigênio.

    Olhos vermelhos, dor, sensibilidade à luz, visão embaçada e sensação de corpo estranho sinalizam necessidade de consultar um oftalmologista. Também indicam que o uso da lente deve ser interrompido imediatamente.


    Contraindicações

    Nem todos podem fazer a cirurgia refrativa.  De acordo com Queiroz Neto as principais contraindicações são:

    · Idade menor que 21 anos.

    · Instabilidade de grau ou gravidez.

    · Córnea muito fina, sendo que desses 50%  pode fazer a cirurgia com Intralase.

    · Doenças oculares como ceratocone, glaucoma,catarata e olho seco

    · Doenças que dificultam a cicatrização como: AIDS, lúpus, diabetes.


    Procedimentos

    Uma das mais recentes inovações no campo da refrativa é o implante de lente intraocular sem a retirada do cristalino para corrigir altas miopias.  O médico diz que a mais nova opção nesta área são lentes que corrigem até 23 graus de miopia, contra 16 graus de sua antecessora.

    Outra opção, comenta, é o procedimento realizado com equipamento de frente de onda para eliminar, além do vício de refração, imperfeição da córnea que atrapalham a visão noturna, especialmente de quem tem astigmatismo.  O procedimento de maior precisão para corrigir vícios refrativos moderados é o Intralase. Feito inteiramente a laser permite operar córneas mais finas.

    O médico diz que a técnica usada depende de uma avaliação da saúde ocular de cada pessoa e de seu estilo de vida. Por exemplo, destaca, quem passou dos 40 e  dirige com frequência à noite deve evitar o Presbilasik. Isso porque a técnica que elimina a dificuldade de enxergar de perto causa mais ofuscamento e diminui a visão de contraste.


    Dicas de prevenção



    Para quem não pode passar pela cirurgia as dicas do médico para evitar a contaminação dos olhos pelo uso de lentes são:

    - Lavar cuidadosamente as mãos antes de manipular as lentes.

    - Utilizar soluções multiuso tanto na limpeza quanto no enxágue das lentes e estojo.

    - Friccionar as lentes para eliminar completamente os depósitos

    - Não usar soro fisiológico ou água na higienização

    - Retirar as lentes antes de remover a maquiagem e quando usar spray no cabelo

    - Colocar as lentes sempre antes da maquiagem

    - Guardar o estojo em ambiente seco e limpo

    - Trocar o estojo a cada quatro meses

    - Respeitar o prazo de validade das lentes

    - Jamais dormir com lentes, mesmo as liberadas para uso noturno.

    - Interromper o uso a qualquer desconforto ocular e procurar o oftalmologista

    - Retirar as lentes durante viagens aéreas por mais de três horas

    - Não entrar no mar ou piscina usando lentes.



    Fonte: LDC Comunicação