• O Carnaval está chegando, acompanhado pelo sol forte, mormaço e dias quentes. Este é o momento em que a proteção contra os raios UV torna-se ainda mais importante do que em outros períodos. Mas para isso, apenas o uso de protetor solar e óculos escuros não é o suficiente.

    Quer saber como se proteger de maneira correta? Confira os principais problemas e como evitar cada um deles.

    Conjuntivite: o problema ocular mais comum, isso porque em função dos elevados níveis de temperatura, ocorre a multiplicação dos micro-organismos responsáveis pela doença. Para se proteger, o ideal é evitar mergulhar em piscinas com os olhos abertos e sem proteção, sempre lavar bem as mãos e evitar coçar os olhos sem antes estar com as mãos bem limpas.

    Ressecamento das córneas: o uso excessivo de ar-condicionado e ventiladores nesta época contribui para o ressecamento das córneas, o que causa bastante irritação. Neste caso, o uso de colírios lubrificantes pode garantir maior conforto.

    Pterígio: conhecido popularmente como “carne crescida”, o pterígio é uma lesão causada pelo crescimento fibrovascular de um tecido conjuntival na área de exposição ocular em direção à córnea. Há evidências que indicam que a maior causa do seu crescimento é a exposição aos raios ultravioleta.

    Confira abaixo como diminuir os riscos de contrair essas e outras doenças oculares:

    ●     Utilize óculos de sol com proteção UV, chapéus e protetor solar com frequência.

    ●     Ao entrar no mar ou piscina, não mergulhe com os olhos abertos. Isso diminui o risco de contaminação com micro-organismos.

    ●     Evite o uso prolongado de ar-condicionado e realize limpeza frequente do mesmo para evitar o acúmulo de ácaros que podem causar conjuntivite alérgica.

    ●     Respeite os prazos de validade e regras de armazenamento de colírios.

    ●     Ao passar protetor solar, tome cuidado com a área dos olhos.

    Prontinho! Agora é só providenciar seu kit básico para o verão e aproveitar a melhor estação do ano com a proteção que merece.


    Fonte: http://veja.abril.com.br/