• Estimativas mostram que 90% dos que passam 3 horas em frente do monitor sofram do problema



    Difícil acreditar que um hábito tão arraigado na vida moderna possa fazer tão mal. Mas passar horas e horas em frente ao computador podem resultar em muitos problemas de saúde — dores na coluna, lesões por esforço repetitivo, sedentarismo, dependência tecnológica. Mas, além da coluna, das articulações, do condicionamento físico e do componente psicológico, há outra parte do corpo que sofre muito com o monitor sempre ligado: os olhos. 
    Conhecido como Síndrome da Visão do Computador, o distúrbio resulta da combinação de problemas oculares e visuais associados ao uso intenso do PC. O oftalmologista do Hospital CEMA, Omar Assae, detalha que apesar de não existirem dados nacionais, as estimativas americanas são assustadoras. "Estima-se que 90% das pessoas que passam de 3 horas ou mais na frente do computador são afetadas pela síndrome". Ele explica que esses dados são do National Institue of Occupational Safety and Health, órgão que regula e verifica condições de trabalho nos EUA. Apesar de não existirem pesquisas que comprovem que a tela do computador pode fazer mal à visão, fatores externos como a postura adotada pelo usuário durante o uso, o tipo de monitor e a iluminação podem influenciar negativamente nessa conta. O problema ocorre porque a utilização constante do computador obriga a visão a "trabalhar" mais. O olho humano não consegue foco na exposição aos pixels existentes nos monitores. Dessa forma, o usuário precisa ficar "focando e desfocando" o tempo todo para manter as imagens definidas, causando uma tensão visual. Além disso, ao focar na tela do computador, as pessoas tendem a piscar menos. A consequência é que os olhos ficam irritados por causa da má lubrificação. "O cansaço visual, a dor de cabeça, rigidez do pescoço, visão embaçada e olho seco são os principais sintomas da Síndrome da Visão do Computador", explica o médico.
    Para evitar o problema
    O oftalmologista Omar Assae faz algumas recomendações
    Piscar com frequência ajuda a evitar — não superar — duas horas ininterruptas à frente da máquina. O uso de lubrificantes oculares, o ajuste correto de intensidade de brilho e cores do monitor, o tamanho da tela, tudo isso ajuda na prevenção do distúrbio
    Consultar um oftalmologista com frequência, principalmente, quando sentir um incômodo visual constante é igualmente importante 
    No que diz respeito ao monitor, o ideal é que ele fique um pouco abaixo da linha dos olhos. Já o usuário deve fazer pausas constantes e olhar à distância para lubrificar os olhos
    Apesar do número normal de piscadas de um indivíduo girar em torno de 15 a 20 por segundo, esse índice cai de 10% a 30% durante o trabalho.
                                          Fonte: Bem Parana