• O costume de pingar colírios nos olhos sem recomendação médica pode causar sérios problemas à saúde ocular
    Durante o inverno os olhos são os órgãos que mais ficam expostos e precisam de cuidados. Com a mudança climática, o ar seco pode diminuir as lágrimas e prejudicar a lubrificação dos olhos. Embora os colírios sejam uma boa opção de tratamento para manter a umidade da superfície, é necessário cuidar com o uso indiscriminado do medicamento.
    De acordo com o oftalmologista e diretor da Clínica Canto, Marco Canto o costume de pingar colírios nos olhos sem recomendação médica pode comprometer a visão e causar doenças como: glaucoma, catarata, esclerose da conjuntiva, ressecamento dos olhos e alteração da lágrima. “Também aconselhamos o paciente a não usá-lo mais do que a recomendação médica, pois o colírio causa intoxicação nos olhos devido ao conservante presente em sua fórmula”, ressalta.
    O colírio pode ser encontrado facilmente em farmácia e na maioria das vezes vendida sem prescrição médica. Para o Dr. Canto, ao invés de ajudar o paciente, pode prejudicar ainda mais a sua saúde. “O colírio indicado pelo atendente de farmácia pode ser qualquer um, o que dá uma falsa ilusão ao paciente de que a doença está sendo tratada”, alerta. O médico lembra ainda que, como qualquer outro remédio, o colírio deve ser utilizado de acordo com cada necessidade, respeitado a quantidade adequada para ser eficaz.
    O oftalmologista aponta que alguns colírios não devem ser usados durante a gravidez, especialmente, nos primeiros meses. Embora não haja restrições em relação à idade, sempre que possível é importante consultar um especialista. “Cuide dos seus olhos, não acredite que estão bem sem examiná-los. Só indo ao oftalmologista que você saberá se está bem e terá sempre uma visão saudável”, enfatiza.
    Para o Dr. Canto antes de gotejar o colírio a higiene é essencial para que não haja mais contaminações. “As mãos devem estar limpas e lavadas, o frasco deve estar conservado e guardado adequadamente para preservar as suas características”. O médico ensina que se houver secreção nos olhos deve-se limpar antes. “O colírio não deve ser usado para remover a secreção e sim para tratar”, enfatiza.
    Tipos de colírio
    Os colírios são suspensões ou soluções de medicamentos especialmente diluídas, tendo como um dos seus principais objetivos, o tratamento de afecções oculares, e não costumam alterar a fisiologia natural dos olhos, pálpebras, conjuntiva e lágrima. “Utiliza-se a medicação como lágrimas artificiais para lubrificar os olhos, recompor o filme lacrimal, evitar esclerose da conjuntiva e manter a boa qualidade da visão”, explica o oftalmologista.
    Existem diversos tipos de colírio e variam de acordo com sua finalidade. São eles:
    - Colírios antibióticos servem para o tratamento de infecções bacterianas e fúngicas;
    - Colírios com medicações retrovirais servem para infecções virais;
    - Colírios antiglaucomatosos para tratamento do glaucoma;
    - Colírios antiinflamatórios para os casos de problemas não infecciosos e inflamatórios, reacionais e traumáticos.
    - Associações medicamentosas para casos combinados.
    Fonte:www.topmed.com.br